11 maio, 2012Por Betty Girls

Florence – a menina do título do livro – vive em situação de total abandono psicológico numa velha mansão da área rural na Nova Inglaterra. Ela e seu meio irmão mais novo, Giles, são órfãos de pai e mãe. O tio, tutor de ambos, os isolou nessa velha mansão, na companhia dos empregados.

Florence, aos 12 anos, não sabe ler e é proibida de aprender, pois o tio acredita que mulheres esclarecidas são seres rebeldes. Mas essa mansão esconde um tesouro, uma biblioteca imensa e bem eclética, que causa encantamento em Flo quando a menina a descobre. Aos poucos, a personagem, autodidata, aprende a ler e encontra nos livros a companhia que falta quando Giles é enviado ao internato para iniciar seus estudos.

Ela monta um “esquema” – talvez já baseada nos livros de suspense que lê – para que sua leitura não seja descoberta. Durante as tardes, normalmente se tranca numa torre desativada da mansão, onde ninguém supõe que ela esteja.

Mas Giles é considerado “imaturo” no internato e mandado de volta à mansão, onde seu tio providencia a continuidade de seus estudos com a contratação de uma preceptora. Aí é que a história começa a ficar realmente interessante, afinal temos a presença de outra figura feminina alfabetizada nessa casa.

Misteriosamente, a primeira preceptora de Giles morre afogada no lago da propriedade. E aí a leitura nos detém de verdade. Para a vaga, é contratada a Srta. Taylor, que logo em sua chegada se revela uma ameaça à tranquilidade da vida de Florence. A menina a tem como uma bruxa que quer roubar seu irmão, que a observa através dos espelhos pela casa e precisa se defender dessa presença maléfica.

Bom gente, meu resumo para por aqui. O livro começa bem normalzinho, uma leitura lenta, preguiçosa até. Mas do meio para o final a trama me envolveu de tal maneira que eu queria ver o fim a qualquer custo. Desses livros que a gente não consegue deixar de lado por nada. E o final é extremamente surpreendente!

Imagem: Reprodução

Postado por: Michelle Mariotto

 

0