11 julho, 2013Por Michelle Mariotto

O último post de décor com historinha me lembrou de um outro que publiquei por aqui há um bom tempo e falava sobre um dos – senão “O” – sofás mais clássicos da história do design, o Chesterfield.

Sua origem é meio nebulosa, mas li na Lonny Magazine desse mês que reza a lenda que ele foi criado em 1700 para atender uma encomenda do Conde de Chesterfield… Trezentos anos, minha gente! Será?

O fato é que ele é atemporal. Um curinga e tanto! Vai de ambientes fúnebres e austeros a contemporâneos e arejados com a mesma desenvoltura. E é chique que dói…

image001 copy

Aqui com a poltrona Eames da semana passada. Um clássico e outra moderna (porém já clássica!) no mesmo revestimento – e formando uma dupla da pesada, hein?

image003

image005 copy

image007

image008 copy

De novo com a Eames, só que aqui em cores contrastantes.

image010

image011

image013

image014

image016

Fotos: Reprodução

Michelle Mariotto – Eu e meu Bebê

25

3 maio, 2011Por Betty Girls

No almoço de lançamento da coleção Tânia Bulhões Home em que estivemos há algumas semanas, uma peça em especial me chamou muito a atenção. Duas variações do mesmo tema, na verdade:  os sofás Chesterfield que foram usados na montagem de um living na loja. São duas peças idênticas, com acabamentos impecáveis e leituras completamente diferentes entre si.

Esse em couro escuro estonado remete a uma peça mais antiga - para um espaço clássico ou masculino, talvez.

Já esse clarinho cria um ambiente mais leve e contemporâneo.

Daí veio a inspiração para buscar algumas imagens e discutirmos o uso dessa peça…

Se existe um modelo de sofá que pode ser considerado vintage é o Chesterfild. Estou para ver um sofá mais desejado, copiado e revisitado do que esse!

De características clássicas – capitonê, braços e encosto arredondados e com a mesma altura e normalmente revestido em couro – essa peça é comumente utilizada em ambientes mais sóbrios, clássicos, masculinos e por vezes até dramáticos ou sisudos, como nas duas fotos abaixo.

Porém, como nas peças da Tânia Bulhões, dependendo do combo revestimento/cor/composição, ele pode ser peça chave num espaço despojado, alegre, moderno…

… e até mesmo fresh, feminino e totalmente clean.

O que todos eles têm em comum? DNA clássico e muito conforto!!!

Gostam?

Fotos: Reprodução

Postado por: Michelle Mariotto

0