Score
22 março, 2017Por Sophia Alckmin

Na semana passada Cris e eu fomos conferir a abertura da Mostra Artefacto 2017, Décor + Fashion. Esta edição reúne grandes nomes da arquitetura em ambientes que homenageiam personalidades da moda brasileira.

A mostra, que começou no da 10 de março no showroom da Haddock Lobo, vai se desdobrar em outras 12 edições pelos endereços da marca tanto no Brasil quanto mundo afora (já que ela é líder de mercado no sul dos Estados Unidos). Além da mostra, a Artefacto também está lançando uma nova coleção, boa parte das peças assinadas pela diretora artística Patrícia Anastassiadis, com uma relação muito próxima entre moda e design, tanto nas formas (etéreas, dinâmicas e atemporais) quanto no cuidado com os acabamentos que evocam a excelência da haste-couture.

Separamos fotos de todos os ambientes para compartilhar aqui com vocês. Preparem as pastilhas, vocês vão querer salvar tudo e decorar suas casas…

Christina Hamoui para Andrea Bogosian 

Loft de contornos contemporâneos. O espaço se desdobra em living, gourmet e quarto. Tudo nos tons de cinza, preto e branco com pinceladas de acabamentos metalizados em dourado e espelho.

Debora Aguiar para Costanza Pascolato

Espaço que plasma living, jantar, lareira e biblioteca com o intuito de refletir a personalidade da “papisa” da moda. Cool, elegante e discreto com mobiliário assimétrico, painéis de mármores, crises verticais pivotantes revestidos de couro, cabeceira da cama tramada de palhinha. Destaque para a varanda com muita luz natural e verde.

Denise Barreto para Lino Villaventura

Sofisticado loft que contempla living com lareira, jantar e quarto. A área valoriza o mosaico de cores, obras de arte e brinca com as formas geométricas.

Fabio Morozini para Patricia Bonaldi

Penthouse com áreas sociais de casa ganhou ambientes interligados por grandes pórticos, portas de correr embutidas e paredes encapsuladas por madeira.

Francisco Cálio para Raquel Davidowicz

O contraste do preto com o dourado predomina no loft que conjuga living, jantar, quarto e closet no mesmo tempo verbal com integração máxima dos ambientes. Destaque para o mobiliário de design moderno na composição do espaço.

Gil Cioni & Olegário de Sá para Martha Medeiros

O loft tem uma decoração moderna com pitadas de clássico. Os arquitetos criaram um espaço que poderia funcionar como apoio em qualquer cidade do mundo, usando como gancho o fato de Martha ter aberto uma loja em Los Angeles

 

João Armentano para Ricardo Almeida

O estúdio conta com divisórias verticais de estruturas leves que dão privacidade aos espaços sem limitar a conectividade dos mesmos. O grand finale foi arrematar os coloridos do décor com a mesma paleta usada por Almeida em sua última coleção. Um compôs chique, moderno e hipercool.

Patricia Penna para Sandro Barros

O estiloso loft novaiorquino conta com uma atmosfera de festa que se desdobra em living, sala de jantar e dormitório. Ela equilibrou o modo clássico do estilista com mobiliário moderno e uso de recursos tradicionais como o couro visto na cama e nos detalhes do quarto, o capitonê no estofamento da sala e o veludo que recobre as cadeiras de jantar.

Zize Zink para Alexandre Herchcovitch

Ela se inspirou em Londres para compor o loft. O ambiente foi compartimentado em living, estar, dormitório e cozinha, ganhou revestimentos delicados na paleta marinho, fendi e cinza, dentro de uma proposta estética vintage, mas ao mesmo tempo contemporânea.

E vocês, o que acharam? Tiverem algum ambiente favorito?

6

5 abril, 2016Por Michelle Mariotto

Falecida na semana passada, com apenas 65 anos de idade, a arquiteta Iraquiana radicada em Londres, Zaha Hadid foi um ícone mundial. Primeira mulher a ganhar o prêmio máximo da arquitetura – o Pritzker, em 2004 – Zaha era mundialmente reconhecida pelo caráter futurista e escultórico de sua obra.

Fluidez e plasticidade eram as características mais marcantes de seus projetos, situados predominantemente na Europa. Seu estilo era tão ímpar, que a arquiteta virou referência também no design, assinando esculturas, mobiliário e até mesmo peças de moda.

Para homenagear a mulher mais bem sucedida e reconhecida da minha área, trago hoje imagens de interiores de seus projetos e algumas peças de mobiliário projetadas por ela.

image074 image073 image072 image071 image070 image069 image068 image067 image066 image065 image064 image063 image062 image061 image060 image059 image058 image057 image056 image055 image054 image053 image052 image051 image075

“Eu não penso a arquitetura apenas como abrigo… Ela deve ser capaz de te excitar, te acalmar, te fazer pensar.”

Acho que ela deixou isso bem claro no conjunto de sua obra, não?

Fotos: Reprodução

Michelle Mariotto @michellemariotto

BlogMidá e Midáideia

@blogmida

13

15 março, 2016Por Michelle Mariotto

Preciso começar esse post falando sobre artistas em geral. Porque um artista de verdade imprime seu estilo em cada peça da sua obra. De escritores a pintores, já perceberam que os grandes profissionais têm seu trabalho reconhecido sem precisar de uma assinatura explícita? A própria arte cumpre esse papel.

Claro que isso é muito mais notável em quadros e obras de arte, como no repertório de Michelangelo Buonarroti, Toulouse Lautrec, Vik Muniz, Hércules Barsotti – mencionando apenas os primeiros que me vieram à mente de períodos, cenários e épocas completamente distintos, ok?

Mas é preciso observar que todo tipo de arte permite a criação de um DNA. Na moda, penso em Coco Chanel, Valentino, Alexander Mcqueen. Na literatura, são múltiplos os exemplos. Na arquitetura, olhemos para o legado de Oscar Niemeyer, Frank Lloyd Wright, Richard Meier, Zaha Hadid.

Toda essa introdução para falar do trabalho do controverso top Designer de Interiores norte americano Jonathan Adler. Seus ambientes, por mais distintos e múltiplos que sejam, não deixam dúvida sobre sua autoria.

De pegada moderna, colorida, jovem, bem humorada, basta olhar para um espaço concebido por ele para identificar o DNA de seu trabalho. Vamos ver do que eu estou falando?

image014 image013 image012 image011 image010 image009 image008 image007 image006 image005 image004 image003 image002 image001 2

E aí, conseguiram identificar o mesmo estilo de obra, apesar dos resultados completamente diferentes? Seu portfólio é polêmico, autêntico e único, concordam?

Fotos: Reprodução

Michelle Mariotto @michellemariotto

BlogMidá e Midáideia   

@blogmida

 

image001

12

11 fevereiro, 2016Por Michelle Mariotto

Betty People, preciso começar esse post com uma confissão: cheguei à conclusão que mesmo que eu venha a ter a maior casa do mundo, ela não vai comportar todos os móveis de design que aceleram o meu coração… E, caso comporte e eu resolva colocá-los todos lá dentro, terei um showroom e não uma casa.

Isso posto, acho que é desnecessário dizer que essa é mais uma das minhas favoritas, né? Mesmo porque agora eu já disse…rsrsrs…

A Butterfly é um dos modelos mais antigos do design considerado modernista. Seu desenho data de 1938 e foi concebida por Jorge Ferrari-Hardoy, Juan Kurchan e Antonio Bonet. Trata-se de uma estrutura tubular em aço esmaltado toda entrecruzada que recebe o assento em couro.

Deixando o jargão técnico de lado e falando apaixonadamente, ela é elegante, esbelta, orgânica, sensual.

Mas vamos ver do que eu estou falando?

image002 image004 image006 image008 image009 image010 image012 image013 image015 image017

Fotos: Reprodução

Michelle Mariotto @michellemariotto

BlogMidá e Midáideia

@blogmida

image001

7