24 julho, 2012Por Betty Girls

A imensa maioria dos nossos ambientes do dia-a-dia é composta por piso, teto e quatro paredes. Sim, quatro paredes, que somam uma área imensa, para a qual normalmente não destinamos grande parte da nossa atenção.

é muito comum que elas ganhem uma pintura básica, comunzinha, às vezes uma textura ou um papel de parede – quase sempre neutros e discretos. Mas por representarem uma área tão nobre, que chamam nossos olhares quase o tempo todo, acho que as ditas cujas merecem um pouquinho mais de atenção!

Alguns espaços “pedem” uma parede diferenciada. Outros, quando as têm, viram referência, fotos de revista. Se é assim, vamos nos inspirar com essas fotos?

Malha metálica aplicada sobre a pintura.

Textura com desenho especial.

Painel imitando madeira envelhecida.

Pintura ou papel de parede multicolorido? Seja qual for o recurso, o efeito é bem inspirador!

Grafite como pano de fundo para quadros.

Grafite como pano de fundo para quadros.

Galhos e pássaros em baixo relevo.

Folhas de jornal – ou papel de parede simulando seu efeito, o que funciona melhor por não amarelar com o passar do tempo.

Nossos já conhecidos tijolinhos…

Números em baixo relevo.

Pintura – ou aplicação? – multicolorida.

Adesivo contratando com a cor da parede.

Páginas especiais de revistas. Ou seriam páginas de revistas especiais?

Fotos: Reprodução

Postado por: Michelle Mariotto

0

10 março, 2011Por Betty Girls

No post da semana passada, aqui, a Aninha deixou um comentário que eu achei melhor responder em forma de post, por causa das fotos que eu queria mostrar e porque achei que podia interessar a mais gente.

Trecho do comentário, para todo mundo entender: “Tenho uma dúvida quanto a aplicação: Ouvi dizer que é tendência aplicar o papel também no teto em ambientes pequenos, isso é legal mesmo???”

Tenho visto fotos desse uso e acho que funciona, sim, mas não em ambientes pequenos e sim em ambientes de passagem, como no hall e no lavabo, que é o caso da Aninha. Ainda assim você tem que ter uma personalidade moderna e inovadora para optar por uma solução como essa! Já em ambientes de permanência, como um living ou dormitório, acho que “pesa” bastante, fica opressivo, mesmo que seja um papel discreto. Nesses casos, ainda prefiro o bom e velho forro branquinho – principalmente nos apartamentos de pés-direitos baixos de hoje em dia! – contrastando com uma cor um pouco mais forte – seja pintura ou papel – na parede.

Outra dica de uso é sempre fazer a marcação da passagem da parede para o forro usando uma moldura. Caso contrário vai parecer que você está num fundo infinito ou num caixote, por conta da continuidade do material.

Vamos às fotos?

Aqui o papel está só no teto. Com essa cor de parede ficou bem chamativo, mas imagino o quanto ficaria elegante com essa mesma moldura – mais clássica – em branco ou mesmo seguindo a cor da parede num tom de cinza…

Essa também é uma ideia que me agrada. O papel da parede é bem marcado, com desenhos grandes e bastante cor enquanto o do teto tem só umas nuances da cor do primeiro, mas sem desenho e com a moldura fazendo a transição entre um e outro.

Essas duas fotos trazem uma solução bastante interessante. Vocês percebem como a aplicação do papel ameniza o volume indesejável das vigas? É a tal da continuidade que, com ilusão de ótica, quase transforma tudo numa coisa só!

Agora vamos ao mesmo papel cobrindo tudo. As fotos são de três dormitórios.

Nessas duas primeiras temos situações de teto inclinado, que cria volumes diferentes e até dispensam o uso de moldura. Assim mesmo – até na primeira foto que tem um papel mais suave – acho que ficar muito tempo nesses espaços pode causar cansaço e até mesmo uma certa irritação.

Aqui temos dois em um. De um lado a continuidade sem moldura e do outro a moldura “quebrando” a unidade do papel. Cubram a moldura com a mão e depois cubram o outro lado deixando só o efeito da moldura para verem quanta diferença!

Fotos: Reprodução

Postado por: Michelle Mariotto

0

1 março, 2011Por Betty Girls

Atendendo a pedidos (né, Cleusa?) hoje vou falar sobre papel de parede. Sinceramente, tenho a impressão de que nenhum outro elemento – assim isoladamente – tem o poder de repaginar tão completa, rápida e radicalmente um ambiente…  E essa indústria não está para brincadeira, pois despeja no mercado cores, estilos, estampas, texturas e “fakes” os mais variados possíveis. Uma visita a um showroom especializado pode durar uma tarde inteira – senão um dia! Para todos os gostos e todos os bolsos.

Querendo dar um up numa parede do escritório ou na da cabeceira da cama? Da noite para o dia e sem sujeira: papel nela!!! Mas vale para todo e qualquer ambiente, ok? Sempre tem um específico!

Lembrando que o papel não precisa ser estampado, desenhado ou listrado. Um ambiente todo revestido num papel com uma cor ou textura especial fica super aconchegante! É que nas fotos ficam parecendo pintura…

Fotos: Reprodução

Postado por: Michelle Mariotto

0