Score
19 março, 2014Por Michelle Mariotto

Se há um grande mito cultural entre nós, brasileiros, quando o assunto é arquitetura/decoração, ele diz respeito à cor dos nossos tetos, forros, lajes.

Normalmente, mesmo nos projetos mais elaborados, nos deparamos com o teto branco. Quase sempre super bem acabado com molduras elaboradas, mas branco.

As paredes recebem pinturas personalizadas, papéis especiais, texturas, inovações mil. E o teto continua branco…

Pois recentemente encontrei fotos de ambientes muito bacanas com o teto… Dourado!!! Isso mesmo, ouro puro! E o efeito é surpreendentemente lindo.

image008

image007

image006

image005

image004

image003

image002

image001

Michelle Mariotto

Fotos: Reprodução

16

10 março, 2011Por Betty Girls

No post da semana passada, aqui, a Aninha deixou um comentário que eu achei melhor responder em forma de post, por causa das fotos que eu queria mostrar e porque achei que podia interessar a mais gente.

Trecho do comentário, para todo mundo entender: “Tenho uma dúvida quanto a aplicação: Ouvi dizer que é tendência aplicar o papel também no teto em ambientes pequenos, isso é legal mesmo???”

Tenho visto fotos desse uso e acho que funciona, sim, mas não em ambientes pequenos e sim em ambientes de passagem, como no hall e no lavabo, que é o caso da Aninha. Ainda assim você tem que ter uma personalidade moderna e inovadora para optar por uma solução como essa! Já em ambientes de permanência, como um living ou dormitório, acho que “pesa” bastante, fica opressivo, mesmo que seja um papel discreto. Nesses casos, ainda prefiro o bom e velho forro branquinho – principalmente nos apartamentos de pés-direitos baixos de hoje em dia! – contrastando com uma cor um pouco mais forte – seja pintura ou papel – na parede.

Outra dica de uso é sempre fazer a marcação da passagem da parede para o forro usando uma moldura. Caso contrário vai parecer que você está num fundo infinito ou num caixote, por conta da continuidade do material.

Vamos às fotos?

Aqui o papel está só no teto. Com essa cor de parede ficou bem chamativo, mas imagino o quanto ficaria elegante com essa mesma moldura – mais clássica – em branco ou mesmo seguindo a cor da parede num tom de cinza…

Essa também é uma ideia que me agrada. O papel da parede é bem marcado, com desenhos grandes e bastante cor enquanto o do teto tem só umas nuances da cor do primeiro, mas sem desenho e com a moldura fazendo a transição entre um e outro.

Essas duas fotos trazem uma solução bastante interessante. Vocês percebem como a aplicação do papel ameniza o volume indesejável das vigas? É a tal da continuidade que, com ilusão de ótica, quase transforma tudo numa coisa só!

Agora vamos ao mesmo papel cobrindo tudo. As fotos são de três dormitórios.

Nessas duas primeiras temos situações de teto inclinado, que cria volumes diferentes e até dispensam o uso de moldura. Assim mesmo – até na primeira foto que tem um papel mais suave – acho que ficar muito tempo nesses espaços pode causar cansaço e até mesmo uma certa irritação.

Aqui temos dois em um. De um lado a continuidade sem moldura e do outro a moldura “quebrando” a unidade do papel. Cubram a moldura com a mão e depois cubram o outro lado deixando só o efeito da moldura para verem quanta diferença!

Fotos: Reprodução

Postado por: Michelle Mariotto

0

22 fevereiro, 2011Por Sophia Alckmin

Mas não estou falando de casa própria nem da sua primeira morada longe do seio materno, não!!!

Em tempos de modernidade e minimalismo na decoração, as fotos abaixo me chamaram muito a atenção. São forros super trabalhados, bem diferentes dos que costumamos ver por aí. São trabalhos como os “de antigamente” – muito vistos na Europa e nos poucos imóveis que temos conservados do nosso período de ouro da cafeicultura. Os relevos estão presentes em toda a área do “teto”.

Aqui numa brincadeira de clássico com moderno – adooooro!!!

Que tal minimizar na decoração e ousar no teto? Ou fazer uma decoração completamente clássica integrada com um belo teto desses? Completamente seu!!! Super exclusivo!

Dica? O Pé-direito (para as leigas: a “altura” do ambiente, medida entre o piso e o forro) precisa ser generoso!

Fotos: Reprodução

Postado por: Michelle Mariotto

0